É preciso começar pelo princípio

Pessoal e transmissível

Lembro-me bem do nosso primeiro encontro, que não foi lá grande coisa: ela tinha acabado de lançar o seu primeiro livro, era então directora do Centro de Saúde, eu estava num dia de mau-feitio ao mais alto nível, como me acontecia muitas vezes naquele tempo agridoce em que dirigi o jornal. Ela entrou lá para colocar um anúncio, pois que ninguém “nosso” tinha ido ao lançamento. Expliquei-me, expliquei-lhe como funcionava uma redacção com poucos rescursos, situação agravada aos fins-de-semana. Entendemo-nos e fomos caminhando, cada uma na sua vida.

Há dez anos muita coisa era diferente na minha cidade. Muitas pessoas continuam nos mesmos lugares, cristalizadas. E depois há outras, como ela, com coragem de publicar pedaços de vida em livro, outra vez.

Numa tarde de Dezembro apanhou-me, ao telefone, no meio da distribuição de cabazes de Natal. Tinha uma coisa para me pedir. Que ia publicar um novo livro, cuja receita haveria de reverter a favor do equipamento de um Centro de Dia para doentes de Alzheimer. O lançamento de “Lá, no mundo da Lua” é amanhã. E o que a drª Isabel Gonçalves tinha para me pedir era isto, afinal. Chamam-lhe prefácio, os editores. Quando leu o que lhe enviei quis saber quando é que editava um livro meu. Há-de ser um dia destes, se não for antes.

Lá, no mundo de Isabel

O Natal de 1968 trouxe com ele uma revelação mágica: numa rua de Coimbra, à mesa da consoada, a pequena Isabel descobriu na dureza da vida lá fora a inspiração que, sem saber, a acompanhava desde sempre: escreveu nessa noite o seu primeiro poema, que versava o contraste entre a mesa farta da família – mesmo num tempo em que o dinheiro não chegava para presentes – e a miséria profunda de Portugal. E ela, a segunda dos cinco filhos de um casal de assalariados, percebeu naquele instante que, afinal, as dificuldades da família em alimentar uma casa onde moravam 10 pessoas, significavam pouco. “Lá fora havia gente sem nada. Sem nada para comer. E nós estávamos ali, perante uma mesa repleta de iguarias”. E foi dessa tristeza alheia que se fez a poesia de Isabel Gonçalves, quando tinha pouco mais de 12 anos de idade.

À distância do tempo, talvez aquela noite de Natal tenha acontecido à laia de premonição. A mãe, a médica, a pequena-grande mulher que é amiga de todas as horas, haveria de continuar a escrever poemas pela vida fora, exorcizando medos e tristezas, cantando alegrias, numa catarse completa. É ela  própria que o reconhece, no momento em que selecciona pedaços da vida para transformar em livro. Foi assim também com “Momentos”, a sua primeira obra, publicada em 2002. Dez anos é muito tempo. É muita vida que corre, é muito caminho trilhado. E não será fácil transpor a barreira da privacidade e deixar que a alma salte para as páginas de um livro. Foi nesse resguardo que Isabel Gonçalves viveu, até decidir partilhar com o mundo cada poema. À mesa de um café de Pombal – a vila que a acolheu em 1981, a cidade que ajudou a construir, com toda a sua intervenção pública – diz-me que sabe de cor o dia, o momento, as circunstâncias de cada poema. “Como se fosse uma fotografia”. O olhar ilumina-se e fala do Hugo e do Pedro, os filhos já feitos homens, eternos poemas-meninos de sua mãe. Depois há os outros: aqueles por quem corre e se cansa, por quem engana o sono, por quem troca voltas à vida. Os outros, os que precisam. E então volta a lembrar-se de como a poesia pode ser solidária, contribuindo para causas. Como no tempo em que era menina e a descobria como forma de libertar o amor ao próximo. Lá, no seu mundo da lua, continua a ser 68. É Maio, talvez. Há dentro dela uma revolução constante, que dará amor e flores ao mundo inteiro. Afinal, a vida é isto: poesia intensa.

 

Paula Sofia Luz,

Jornalista

 

Anúncios

Penso que:

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s